quinta-feira, 5 de março de 2009

Ele ouve um chamado para a vida
Como uma voz sua de crianca num tal rio parana, sei la,
q seja um rio em qquer lugar
onde a voz esteja
mergulhando a se banhar
e baixinha a insistir

Uma vez por semana
Ele ouve das profundas clarezas
Seu proprio respirar

Ele sente dor em fingir q nao ouve
Pq sabe q naquela voz esta o seu caminho
Sua rota de trilhar
De traçar
O seu ser
E dividir
Seu viver
Por ai
Pra seguir
Proseguir
Pra sorrir

As vezes sente um tremor de motor de trator
Beirando a porteira e a cerca branca de arame farpado
Armado
Uma dor distante
Eh a voz q vem novamente..

Hj ele pensou em ouvir um pouquinho essa voz...

E se ouviu cantar num tal de rio parana que pode ser em qualquer lugar
Qquer praça, qquer joça, qquer amigo, qquer moça,

Mas desde q possa se entregar e dar juz ao seu viver
E q o mundo retribua seu merecer
e q lhe preencha as lacunas de seu corpo e o tempo tao distante q passe pois agora constroe face, toma corpo e acumula e soma

seu castelinho de areia faceira na beira da lareira
de uma praia do rio parana dentro de seu futuro
Uma praia no seu sangue

mas tao distante
mas tao brilhante